sexta-feira, 19 de março de 2010

Alô Brasil!

Depois de quase 1 mês aqui estou eu de volta escrevendo diretamente da Austrália. Com o terremoto no Chile meu vôo do dia 27 foi cancelado e só viajei na madrugada do dia 2 pro dia 3 de Março, vindo por Dubai ao invés de Santiago. Ô viajenzinha cansativa! 2 vôos com duração entre 13 e 14 horas cada, com direito a uma paradinha de 2, 3 horas no aeroporto de Dubai.

Dito isso, aqui estou eu com minha amada esposa em Sydney. Comecei a trabalhar dia 8 e estou gostando bastante. Ainda não conhecemos muita coisa por aqui mas já vimos o Opera House de perto e visitamos a Sydney Tower. Mais pra frente coloco fotos por aqui.

No último domingo tivemos o prazer de ir a um festival português e comer uma feijoada numa barraquinha de um restaurante brasileiro, devidamente acompanhada com um guaraná. Sei que não faz tempo que chegamos mas a saudade do arroz com feijão é grande! Aproveitamos pra comprar meio quilo de feijão preto e massa pra fazer pães de queijo, no mesmo restaurante.

As impressões da cidade até agora são muito boas. Trens urbanos excelentes e pontuais, motoristas que param pra você atravessar e não tentam dar uma de malandrão na primeira oportunidade, pessoas educadas e simpáticas no geral (claro que sempre tem algumas antipaticas) e o principal: segurança.

Nem tudo são flores. Com relação a alimentação existe uma variedade bem grande de restaurantes, sendo uma boa porcentagem deles asiáticos (japoneses, chineses, vietnamitas, malaios) devido a grande quantidade de asiáticos por aqui, mas é difícil achar uma refeição com a qual brasileiros estejam acostumados, nem que seja um arroz, bife e salada. O jeito é ir experimentando um pouco de tudo pra descobrir as melhores opções.

Outro ponto negativo é a atitude das pessoas no trabalho. Aqui pouco se conversa de assuntos não relativos a trabalho no horário de expediente. Não existe aquela pausa pra um cafezinho com o colega da mesa ao lado. Na hora do almoço as pessoas não saem juntas pra almocar, em sua maioria trazem comida de casa (muitas vezes um lanche apenas) ou compram comida na rua e voltam pra comer em suas mesas. Enquanto isso eu saio pra almoçar sozinho mesmo.

Por enquanto é isso. Ainda estou morando em hotel, assim que me mudar pra um apartamento alugado a experiência e vivência do pais vão melhorar consideravelmente. Em breve volto com mais novidades.
Postar um comentário